Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Coletivo

06
Mai19

desventuras

João Ferreira Dias

André Ventura, por si mesmo, não me perturba, até porque tenho uma certa sensação de que o dito não crê assim tanto no que diz. O problema é que Ventura não existe por ele mesmo, mas parece resultar de um estudo de mercado que inclui as caixas de comentários dos jornais e sondagens em tabernas. Ora, é precisamente aí que reside o problema, i.e., quando um político é apenas uma metáfora para sentimentos recalcados. Foi nesses termos que se elegeu Bolsonaro.

10
Abr19

Habemus um novo partido político

A woman in politics

Foi hoje avançado pela imprensa e já confirmado por André Ventura (nas suas redes sociais) a aceitação por parte do Tribunal Constitucional do novo partido político "Chega". Passam, assim, a existir 24 partidos políticos legalizados em Portugal.

 

No entanto, ainda não se sabe se o Partido Chega irá concorrer às eleições Europeias, porque quase, de forma simultânea, o Tribunal Constitucional rejeitara a coligação “Europa Chega”, que juntava o movimento Chega (que ainda não era partido), o Partido Popular Monárquico e o Partido Cidadania e Democracia Cristã. O Partido Chega podia concorrer (após a aceitação sair em DR), mas como o prazo para a entrega da lista de candidatos às Europeias termina na próxima semana, seria uma corrida em contra-relógio.

 

Tic tac...

 

17
Dez18

Ventura e o Chega

A woman in politics

André Ventura deu uma grande entrevista ao Sol. Fala da “infância pobre, da relação com Deus, dos ciganos, do aborto, da homossexualidade e do seu novo partido”.

Li a entrevista e tenho seguido as suas movimentações. A quem considera Ventura uma piada, até pode estar certo, mas penso que é melhor não ser tão precipitado.

Para além de ser uma figura “nova” na política nacional, convém não esquecer do espaço mediático que tem na CMTV, que até é o canal mais visto no cabo e que até é o canal que mais alcança o eleitorado potencial de Ventura.

Para além disso, saiu a sondagem da Aximage relativa ao mês de dezembro. Dos resultados, destaca-se que o PS e o PSD estão em queda na intenção de voto legislativo e que a opção de voto estaria a crescer nos extremos. Na mesma sondagem foi questionado aos inquiridos se estariam dispostos a mudar o sentido de voto para um novo partido que falasse contra imigrantes ilegais e contra a corrupção. A essa questão, cerca de 27% dos inquiridos responderam que sim, de certeza, ou talvez.

E que partido seria esse? Pois.