Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O Coletivo

05
Nov18

Freddie como nunca o viu

Francisco Chaveiro Reis

Bohemian-Rhapsody-Filme.jpg

Depois de ler críticas que esmagavam o filme, fui ver Bohemian Rapsody com cautela e apreensão. Até aqui, tinha visto as fotografias de Malek como Mercury e tinha ficado espantado. Tinha visto o trailer, que ainda mais água na boca me fez. Não tirando o mérito do conhecimento aos críticos, a verdade é que gostei muito do biopic de Freddie Mercury e dos seus Queen e que me parece que Malek é um ótimo Mercury. Se tenho curiosidade de ver Sacha Baron Cohen na pele de Mercury? Sim. Se gostava de ver uma versão mais crua da vida dos Queen? Sim. Se a versão que temos disponível falha redondamente? Não. Bohemian Rapsody é uma homenagem a Mercury, conta uma história da grandeza dos Queen e de como os outros três elementos não eram apenas ornamentais e fá-lo de forma subtil, não esfregando o consumo de droga ou as orgias na nossa cara, sendo quase um filme de família sobre uma das bandas da primeira divisão do Olimpo do rock. E isso não tem mal algum.

 

Rami Malek mostra-nos um Freddie Mercury ainda à procura da sua identidade mas com a certeza de que era diferente e dono de um talento vocal único. Adolescente, conhece Brian May (Gwilym Lee) e Roger Taylor (Bem Hardy) e com a inclusão de John Deacon (Joseph Mazzello, o “puto” do primeiro Jurassic Park) acabam por nascer os Queen. É já como artistas reconhecidos que o filme nos mostra um dos segmentos mais interessantes do filme, quando nasce, numa quinta remota, o álbum/obra-prima A Night at the Opera. A cumplicidade, o génio e os métodos pouco ortodoxos são um mimo para os fãs de música. O fim, com a atuação de uma vida num Wembley repleto por altura do Live Aids de 1985 é outro ponto alto, pela mística e pela reconstituição perfeita do mítico estádio. Pelo meio, Freddie, o homem. O homem que se quer distanciar da família que não o entende; que se apaixona e casa com uma mulher e vai percebendo que tem outra preferência; o homem de excessos sexuais, narcóticos e alcoólicos e o homem à beira do fim que quer deixar a sua marca. Que me perdoem aqueles que sabem que a música A não foi composta naquele ano ou que Freddie não tinha bigode no concerto B mas eu gostei. Muito.